Open Conference Systems, I Congresso Nacional de Administração e Ciências Contábeis – AdCont 2010

Tamanho da fonte: 
A Interdisciplinaridade no Ensino de Contabilidade: uma reflexão a partir da percepção de discentes de uma IFES no estado de Minas Gerais
Maria Auxiliadora da Silva, climene Lopes Serrano, Frederico Carvalho, Marcelino Jorge

Prédio: Universidade Cândido Mendes
Sala: Sala 5
Data: 2010-10-28 04:30  – 07:00
Última alteração: 2010-10-15

Resumo


Este trabalho procurou identificar e analisar percepções de discentes de uma IFES sobre a importância da interdisciplinaridade no ensino de Contabilidade e, em última análise, para a formação do Contador. Os fundamentos teóricos da pesquisa se apóiam em autores que trataram sobre (a) diversas teorias de aprendizagem, (b) o papel dos métodos de ensino, (c) os métodos experienciais (do tipo estudo de caso, jogos de empresas e “laboratórios”) e (d) o caso específico do ensino em Contabilidade. Outra matriz importante para embasar o estudo foram os princípios normativos explicitados nas diretrizes curriculares divulgadas pelo Conselho Nacional de Educação em 2004, que fazem referência (direta e indireta) à questão da interdisciplinaridade. O método de pesquisa foi um estudo de caso sobre a disciplina Prática Contábil, presente na matriz curricular do curso de Ciências Contábeis, na IFES estudada. A coleta de dados foi elaborada por meio de entrevistas em profundidade, aplicadas a uma amostra de conveniência composta por oito ex-alunos da disciplina. Os entrevistados foram escolhidos por facilidade de acesso e concordância em participar. As respostas foram agrupadas em seis grandes temas, apontados na literatura consultada. Na análise das respostas o foco foi dirigido aos padrões de conjunto, em vez de serem consideradas as respostas individuais. Os resultados obtidos indicam que, na percepção dos discentes, a interdisciplinaridade não é efetivamente praticada; na verdade, os entrevistados nem mesmo utilizaram ou conceituaram o termo interdisciplinaridade. Merece destaque a percepção dos entrevistados de que muitas disciplinas das áreas de formação básica e complementar não têm importância aparente para sua formação acadêmica e profissional.